11 de ago de 2009

HIPOTERMIA

A temperatura central do corpo humano deve manter-se entre 36,5ºC e 37,5ºC. Abaixo desse limite, começam a surgir vários sintomas, desde frio até a morte. Quando há uma queda brusca da temperatura corporal, as terminações nervosas detectam a baixa temperatura, imediatamente o organismo começa a realizar a vaso constrição (diminuição do calibre) dos vasos sanguíneos, principalmente da pele, com o objetivo de diminuir a perda do calor e estabilizar a temperatura interna. É por isso que a pele fica fria.

Quando a vaso constrição não é o suficiente para evitar essa queda, aparecem então os tremores, ou seja, contrações involuntárias dos músculos esqueléticos que geram calor. Se o tempo de exposição ao frio ambiental é prolongando, os tremores tendem a diminuírem ou cessarem, surgindo alterações mentais e diminuição da perfomace motora. Lentamente ocorre um colapso do mecanismo termorregulador, incluindo a vaso dilatação na pele, em seqüência há perda de calor para o exterior. Dessa forma, a pessoa começa a diminuir seu nível de consciência, suas funções vitais se alteram, o que vai evoluindo até a morte.

Os sintomas dos três tipos de Hipotermia;

Leve (35 a 33ºC); sensação de frio, tremores, letargia motora, espasmos musculares. A pele fica fria, as extremidades do corpo apresentam tonalidade cinzenta ou levemente arroxeada (cianótica). A pessoa tem confusão mental.
Moderada (33 a 30ºC); Os tremores começam a desaparecer, a pessoa tende a ficar muito sonolenta, prostrada, quase inconsciente, rigidez muscular, alterações na memória e na fala, entre outros.
Grave (menos de 30ºC); A pessoa fica imóvel e inconsciente, as pupilas se dilatam e a freqüência cardíaca diminui, se tornando quase imperceptível. Se o paciente não for devidamente tratado, a morte é inevitável.